VICENTINHO CRITICA QUEBRA DE ACORDO

 Foto: Amanda Perobelli
Foto: Amanda Perobelli

Deputado diz que parte do sindicalismo acabou desmoralizado após aprovaçăo do novo mínimo

Na semana em que o Congresso aprovou o novo valor do salário mínimo, de R$ 545, o relator da proposta na Câmara, deputado federal Vicente Paulo da Silva (PT-SP), o Vicentinho, criticou a quebra de acordo por algumas centrais sindicais durante a votaçăo do projeto. A proposta de valorizaçăo do mínimo, acordada pelo entăo presidente Lula e as principais correntes sindicais previa o valor aprovado nesta semana e um valor aproximado de R$ 620 no ano que vem. Vicentinho também criticou parte da imprensa, que, em sua avaliaçăo, escondeu a política de recuperaçăo do salário mínimo. O parlamentar acredita que o prefeito de Săo Bernardo, Luiz Marinho (PT), năo terá dificuldades para se reeleger, em 2012, pois contará com o apoio ativo de Lula.  Leia, a seguir, a íntegra da entrevista.

ABCD MAIOR – O senhor foi o escolhido pelo governo para defender a proposta de aumento do salário mínimo (R$ 545), que foi aprovada. Como foi a experięncia e como reagiu ŕs criticas?

VICENTINHO – O fato de defender uma proposta negociada e construída com o movimento sindical me deu muita honra. Primeiro porque acreditamos no governo da Dilma (presidente Dilma Rousseff- PT), no projeto para o Brasil e também no acordo feito com as centrais sindicais.  Năo existe coisa pior do que parte deste movimento sindical quebrar este acordo. Quem estava no Congresso vaiando năo era o movimento sindical, e sim parte de um sindicalismo, que foi o mesmo que me vaiou quando eu propus o fim do imposto sindical. Esse grupo năo representa os metalúrgicos do ABC, dos bancários e da CUT (Central Única dos Trabalhadores). É um sindicalismo conservador, cujos dirigentes năo tęm essa postura ligada ao verdadeiro movimento sindical.

ABCD MAIOR – Alguns meios de comunicaçăo destacaram no dia seguinte ŕ votaçăo, as vaias que o senhor recebeu. Como o sr. recebeu?

VICENTINHO – Tem mídias e jornais que preferem destacar as vaias ao conteúdo. A informaçăo do que de fato interessa ŕ populaçăo é secundário. Eu já estou acostumado. Quem me vaiou no passado teve de me aplaudir depois de um tempo. Espero que em janeiro de 2012 me aplaudam quando o governo der o reajuste maior. Năo tenho dúvida de que a política de valorizaçăo do salário mínimo é muito melhor do que aquela política pequena de reajuste anual, sem garantia para o futuro.  Ano que vem vai ultrapassar os R$ 615. Será um valor muito maior do que os R$ 600 defendidos, demagogicamente, pelo PSDB e os R$ 560 defendidos por parte do sindicalismo, que quebrou o acordo.

ABCD MAIOR – O senhor acredita que houve demagogia de parte do sindicalismo e da oposiçăo ao governo Dilma?

VICENTINHO – O Paulinho da Força (deputado federal, Paulo Pereira da Silva-PDT) teve um papel muito feio. Na verdade, neste debate ele foi o grande desmoralizado, pois buscaram apoio do DEM e do PSDB. Além disso, o resultado da votaçăo foi muito expressivo, o que mostrou que o Congresso votou com a razăo. Ganhou a razăo neste grande debate. Antes da votaçăo tive a honra de receber estímulos de pessoas como o José Lopez Feijóo, vice-presidente da CUT e do Sérgio Nobre, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, falando que a nossa história é baseada na honra e no cumprimento de acordos.

ABCD MAIOR – O que significou a aprovaçăo dos R$ 545 para o governo Dilma, já que este foi o primeiro embate na nova gestăo?

VICENTINHO – Primeiramente, significa que ela (Dilma) cumpriu o acordo e continuará a ampliar o trabalho feito pelo Lula (ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva-PT). Me lembro uma vez, na primeira participaçăo de Lula como presidente na festa em comemoraçăo do Dia do Trabalhador (1ş de Maio), ele (Lula) disse no microfone que essa história de 100 dólares, como defendia o FHC (antecessor de Lula na presidęncia, Fernando Henrique Cardoso-PSDB) iria virar coisa do passado. Naquela época, o salário mínimo era 71 dólares. Lula profetizou e ano que vem o salário mínimo chegará a 325 dólares. O salário mínimo teve 57% de valorizaçăo e vai continuar crescendo.

ABCD MAIOR – Quais serăo as conquistas após a aprovaçăo do salário mínimo? O decreto para reajuste até 2015 foi consenso?

VICENTINHO – Existe uma divergęncia, colocada pelo PPS, que essa metodologia tira o poder da Câmara e Senado, mas os deputados e senadores já votaram. É claro, que a presidente năo poderá mudar, de forma alguma, o acordo e o que foi votado pela Câmara e Senado. A lei foi aprovada e vale por quatro anos. Deve haver um debate jurídico sobre este assunto. Vamos aguardar. Mas todo ano o Executivo mandará um decreto onde apresentará a inflaçăo e o valor do reajuste em cumprimento desta lei.

ABCD MAIOR – O governo e a Câmara já estăo debatendo um possível reajuste na tabela do imposto de renda?

VICENTINHO – Tem o compromisso do governo e será honrado. O reajuste será feito assim que o projeto de lei for aprovado. Acredito que nas próximas semanas isso deverá acontecer. Porém, quero ressaltar que sou autor de dois projetos de lei, um deles é que aumenta para cinco faixas a tabela de imposto de renda. O outro, que ainda năo apresentei, é para năo descontar o imposto de renda sobre o abono salarial. Ainda năo protocolei porque o Sérgio Nobre (presidente do Sindicato dos Metalúrgicos) está conversando com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para chegar a um acordo. Caso năo aconteça, vou apresentar a propositura.

ABCD MAIOR – Por falar em proposta, o senhor protocolou na Câmara o projeto de lei que aumenta em duas parcelas o seguro-desemprego para as mulheres que săo arrimo de família. O senhor năo teme que a proposta seja barrada por onerar os cofres públicos?

VICENTINHO – Pode acontecer, mas se o governo concordar, podemos fazer acordo. A proposta é importante. Muitas mulheres săo arrimo de família. Costumo brincar que săo “păe”, pai e măe ao mesmo tempo. O projeto surgiu nas audięncias sobre o projeto de lei da proposta de jornada de 40 horas semanais e vamos dialogar com o Executivo para essa proposta se tornar realidade.

ABCD MAIOR – E como está o andamento na Câmara para votaçăo do projeto de lei que propőem 40 horas semanais?

VICENTINHO – Este projeto está pronto para ir ao plenário. Vai depender da mobilizaçăo do movimento sindical e dos deputados. Quero gastar muito da minha energia para aprovaçăo deste projeto. Como também quero gastar muito da minha energia na luta contra o trabalho escravo em apoio da PEC (Proposta de Emenda Constitucional).

ABCD MAIOR – Com tręs deputados representando a Regiăo, agora é possível ter uma bancada do ABCD no Congresso?

VICENTINHO – É possível e totalmente positivo para a Regiăo. Temos poucas organizaçőes que enfatizam e apóiam a política regional. Destaco o ABCD MAIOR, que vem fazendo este trabalho. Espero que năo só a bancada federal, mas também as bancadas estaduais possam articular o movimento.

ABCD MAIOR – O senhor já falou com a presidente Dilma depois da posse?

VICENTINHO – Depois da posse sim, mas falei recentemente com ela por telefone depois da votaçăo do salário mínimo na Câmara.  A presidente disse que acompanhou todo o debate e que ficou emocionada com a consistęncia das minhas palavras. Recebi muitas ligaçőes e felicitaçőes que me deixaram muito feliz. Inclusive um e-mail, muito amável da “Mirinha” Belchior (ministra do Planejamento, Miriam Belchior) que falou da seriedade do meu trabalho.

ABCD MAIOR – O senhor defende a candidatura de Miriam à Prefeitura de Santo André em 2012?

VICENTINHO – É um excelente nome. Năo sei se ela quer, mas se quiser, resolveria o problema de Santo André.

ABCD MAIOR – Na sua avaliaçăo, que cenário o prefeito de Săo Bernardo, Luiz Marinho (PT), irá encontrar na candidatura ŕ reeleiçăo em 2012? E o quadro de oposiçăo?

VICENTINHO – A direita está se articulando, mas estou convencido de que Marinho será reeleito. A cidade está melhorando. Marinho vem buscando recursos, tem participado de programas federais importantíssimos para o município e vem reorganizando a Prefeitura, os conselhos populares e os conselhos gestores. Por isso, acredito demais na reeleiçăo e vou trabalhar muito para que Marinho vença no primeiro turno.

ABCD MAIOR – A participaçăo de Lula na campanha municipal deve ser indispensável?

VICENTINHO – A participaçăo de Lula é fundamental, além de Lula ser o nosso grande conselheiro e um grande líder do PT e de Săo Bernardo. Falei com Marinho recentemente, quando me confidenciou que o ex-presidente disse que quer se dedicar ŕ campanha dele na cidade.

Compartilhe clicando nos ícones abaixo:
Share

2 comentários em “VICENTINHO CRITICA QUEBRA DE ACORDO

  1. Avatar
    comunicacao Autor do post

    Prezado Sr. José incumbiu-me o deputado Vicentinho de responder a sua mensagem e informar que o deputado já atua conjuntamente com a sua bancada, visando equacionar a questão das aposentadorias.
    Att.
    Paulo

  2. Avatar
    José Donizete da Silva

    Sr deputado federal Vicentinho: em primeiro lugar gostaria de cumprimenta-lo pela bom trabalho, pelo SR realizado nesta casa que é as vezes palco de comentários negativos,e o sr esta sempre fora deles., Os seus eleitores lhes são muito grato por isso,assim como eu.
    Sr Vicentinho sou aposentado e devido ao salario de aposentado ser baixo por conta de um fator previdenciário ,tenho que continuar trabalhando para tentar manter um padrão de vida médio , pago todos os meses inss,IRPF E MAIS alguns tributos que todos os trabalhadores pagão ., Bem eu me acidentei ,precisei ficar afastado do trabalho por alguns dias , ai, sabe deputado essa contribuição que faço ao inss não me garante nem um respaldo na hora que preciso dele ., Então Deputado Vicentinho eu lhe peço se ha possibilidades do Sr e a sua força politica desenvolver algum projeto para melhorar essa questão pois não acho justo pagar por uma coisa que não vai me garantir nada.Obs_.(quando eu digo eu ,estou dizendo sobre milhares de Brasileiros na mesma situação que eu ) Grato Donizete

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *